ABRINDO A CAIXA-PRETA DO DESASTRE DA BRASKEM

AS VOZES DISSONANTES EM MACEIÓ

Autores

  • Camila Prates Universidade Federal de Alagoas
  • Juliane Verissimo Universidade Federal de Alagoas
  • Carlos Eduardo Lopes Universidade Federal de Alagoas
  • Roberto Lima Universidade Federal de Sergipe.

DOI:

https://doi.org/10.21665/2318-3888.v11n22p167-199

Resumo

Esse texto coletivo surgiu a partir da interação entre Roberto Lima e Camila Prates (pesquisa as controvérsias tecnocientíficas em contextos de conflitos e desastres ambientais) na mesa de encerramento da 6ª Semana de Antropologia da UFS ocorrida no dia 24 de novembro e dos aportes de Juliane Lima (pesquisa o conflito ambiental da Braskem) e Carlos Lopes (pesquisador da etnofotografia no contexto do desastre), no chat do evento. A partir disso surgiu a ideia de fazer uma entrevista ao trio de pesquisadores sobre o desastre da Braskem em Maceió. Rapidamente foi organizado coletivamente os pontos de interesse meus e dos colegas e a conversa foi realizada no dia 6 de dezembro de 2024. Essa versão que está sendo publicada é o resultado da transcrição da conversa com a revisão por cada um dos autores de suas falas individuais. Convém lembrar que o desastre da Braskem se dá em decorrência da extração de Sal-gema no subsolo alagoano (iniciado na década de 1970). O desastre foi direcionado pela extração industrial e sem as devidas fiscalizações, com o Serviço Geológico do Brasil atestando a Braskem como responsável pelo afundamento (subsidência) do solo de cinco bairros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Prates, Universidade Federal de Alagoas

Professora visitante na Universidade Federal de Alagoas (UFAL), no Programa de Pós-Graduação em Sociologia. Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Juliane Verissimo, Universidade Federal de Alagoas

Mestranda em Sociologia na Universidade Federal de Alagoas. Professora de Ensino Religioso na Secretaria Municipal de Educação de Maceió.

Carlos Eduardo Lopes, Universidade Federal de Alagoas

Mestrando em Antropologia - PPGAS / UFAL.

Roberto Lima, Universidade Federal de Sergipe.

Doutor em Antropologia pela Universidade de Brasília. Professor associado da Universidade Federal de Sergipe.

Downloads

Publicado

2024-02-05 — Atualizado em 2024-02-05

Versões

Edição

Seção

Dossiê: Paisagens em transição