Uma análise da construção identitária feminina no lar burguês de meados do século XX, a partir do conto “O Espartilho”, de Lygia Fagundes Telles

Autores

  • Clarissa Loureiro Universidade Federal de Pernambuco/UFPE
  • Carlos Eduardo Japiassú de Queiroz Universidade Federal de Sergipe/UFS

Palavras-chave:

Literatura Brasileira, Sexualidade, Discurso Disciplinar

Resumo

RESUMO

Este trabalho discute como o espartilho torna-se um artifício de construção identitária feminina no conto “O Espartilho”, do livro A Estrutura da Bolha de Sabão, de Lygia Fagundes Telles. Para tanto, analisa-se como o espartilho se torna um instrumento de realização de um discurso disciplinar sobre corpos femininos, e como a protagonista, Ana Luísa, mina este mesmo discurso ao se tornar um corpo liberto dessa indumentária. Assim, o aporte teórico a ser discutido neste artigo debruça-se sobre os seguintes temas: sexualidade (FOUCAULT, 2006), o corpo como objeto de adestramento de um discurso disciplinar (FOUCAULT, 1984), a casa como espaço de devaneio, e o cofre, como lugar de segredos (BACHELARD, 1978), a associação entre objeto biográfico e personalidade humana (BOSI, 1994) e a diferença entre modo de vestir e indumentária (BARTHES, 1967). Dessa forma, analisa-se a relação existente entre sexualidade, corpo e poder, a partir dos vínculos estabelecidos entre as personagens e o uso do espartilho.

PALAVRAS-CHAVE: Literatura Brasileira. Sexualidade. Discurso Disciplinar.     

ABSTRACT

This article discusses how the corset is constructed as a device of feminine identity in the short story “The Corset” in the book titled A Estrutura da Bolha de Sabão (The Structure of the Soap Bubble) by Lygia Fagundes Teles. It analyzes not only how the corset is used as a concretizing instrument of disciplinary discourse on female bodies but also how the protagonist Ana Luísa undermines this same discourse when freed from the constraints of this undergarment. The theoretical side of this article is based upon the following themes: sexuality (FOUCAULT, 2006), namely the body as an instrument of the training of a disciplinary discourse (FOUCAULT, 1984); the house as a space of reverie and the safe as a place of secrets (BACHELARD, 1978); the association between the biographical object and human personality (BOSI, 1994); and the difference between the manner of dress and clothing (BARTHES, 1967). Through this theoretical lens, the relationship between sexuality, body and power is analyzed starting from the links established between the characters and their use of the corset.

KEYWORDS: Brazilian Literature. Sexuality. Disciplinary Action.

Recebido em 22/07/2018
Aprovado em 03/10/2018

Referências

BACHELARD, Gaston. Os pensadores: O novo espírito científico; A poética do espaço; seleção de textos de José Américo Motta Pessanha. Tradução de Joaquim José Moura Ramos. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

BARTHES, Roland. Système de la mode. Paris: Éditions du Seuil, 1967.

BOSI, Eclea. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1984.

. História da Sexualidade I: a vontade do saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

. História da sexualidade 2: o uso dos prazeres. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de janeiro: Graal, 2006.

FREYRE, Gilberto. Sobrados e Mocambos: decadência do patriarcado e desenvolvimento do urbano. 7 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1985.

HALBWACHS, Maurice. Memória Coletiva. Trad. Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 2006.

TELLES, Lygia Fagundes. A estrutura da bolha de sabão. São Paulo: Companhia das letras, 2010.

Publicado

2019-02-05

Como Citar

LOUREIRO, Clarissa; QUEIROZ, Carlos Eduardo Japiassú de. Uma análise da construção identitária feminina no lar burguês de meados do século XX, a partir do conto “O Espartilho”, de Lygia Fagundes Telles. A Palo Seco – Escritos de Filosofia e Literatura, São Cristóvão-SE: GeFeLit, n. 11, p. 23–31, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufs.br/apaloseco/article/view/10751. Acesso em: 18 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos