Simulacro, desejo e ética: aproximações entre Slavoj Zizek e A invenção de Morel, de Adolfo Bioy Casares

Autores

  • Isabela Cim Fabricio de Melo Universidade Federal do Paraná – UFPR

Palavras-chave:

Adolfo Bioy Casares, Slavoj Zizek, Desejo do Outro, Identificação

Resumo

Este artigo tem como objetivo expor criticamente algumas reflexões e possíveis articulações entre a obra A Invenção de Morel, publicada originalmente em 1940 e escrita pelo argentino Adolfo Bioy Casares, e o trato de conceitos psicanalíticos como ética, desejo do Outro e identificação simbólica e imaginária, pelo filósofo Slavoj Zizek. A concepção de Morel e do narrador das projeções imagéticas como uma vida ideal, remete em Zizek (1992) à constituição psíquica do sujeito em sua falha na comunicação com o Outro. A determinação do narrador, por sua vez, em juntar-se à sua amada no mundo dos simulacros, mesmo ao custo da própria vida, encaminha para uma consideração de proximidade à ética do desejo como pensada por Lacan (2008), em sua leitura da Antígona. O estudo das duas obras principais, o livro escrito por Casares e o capítulo V de Eles não sabem o que fazem, de Zizek (1992), foi acompanhado de outros teóricos da psicanálise e da literatura, resultando em uma articulação teórica que representa e agrega ao entendimento dos conceitos propostos, ao mesmo tempo em que abre espaço para leituras novas do texto literário, para além do trabalho de crítica.

Referências

CASARES, Adolfo Bioy. A invenção de Morel. Trad. Sérgio Molina, 4ª ed. São Paulo: Biblioteca Azul, 2016.

FREUD, Sigmund. Introdução ao narcisismo. In: _______. Obras Completas, vol. 12. Trad. Paulo César de Souza, São Paulo: Companhia das Letras, 1914/2010.

FREUD, Sigmund. O infamiliar [Das Unheimliche]. Trad. Ernani Chaves e Pedro Heliodoro Tavares. São Paulo: Autêntica, 2019.

FURTADO, Dimas Barreira. Antígona e a ética da psicanálise: notas sobre o Seminário 7. Reverso, ano 35, n. 65, Belo Horizonte, p. 31 - 38, Jul. 2013.

GAMA-KHALIL, Marisa Martins. O espaço e as configurações da narrativa fantástica: Uma leitura de A invenção de Morel. In: XI Congresso Internacional da ABRALIC: Tessituras, Interações, Convergências. São Paulo, 2008. Disponível em: <https://abralic.org.br/eventos/cong2008/AnaisOnline/simposios/pdf/067/MARISA_KHALIL.pdf>. Acessado em agosto de 2020.

LACAN, Jacques. O estádio do espelho como formador da função do eu. In: _______. Escritos. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

_______. O seminário, livro 7: a ética da psicanálise.Trad. Antônio Quinet, 2ª ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

ROAS, David. A ameaça do fantástico: aproximações teóricas. Trad. Julián Fuks. São Paulo: Editora Unesp, 2014.

SALES, Léa Silveira. Posição do estágio do espelho na teoria lacaniana do imaginário. Revista do Departamento de Psicologia da UFF. Niterói, vol. 17, n. 1, p. 113-127, 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rdpsi/v17n1/v17n1a09.pdf>. Acesso em: agosto de 2020.

ZIZEK, Slavoj. Eles não sabem o que fazem: o sublime objeto da ideologia. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1992.

Publicado

2021-01-07

Como Citar

MELO, Isabela Cim Fabricio de. Simulacro, desejo e ética: aproximações entre Slavoj Zizek e A invenção de Morel, de Adolfo Bioy Casares. A Palo Seco – Escritos de Filosofia e Literatura, São Cristóvão-SE: GeFeLit, n. 13, p. 110–118, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufs.br/apaloseco/article/view/15058. Acesso em: 21 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos