O mal da literatura: a crítica da forma e da significação em Georges Bataille

De profundis clamavi ad te, Domine

Autores

  • Robson Araujo Universidade Federal do Ceará
  • Álvaro Maia Universidade Federal da Paraíba

Palavras-chave:

Comunicação, Literatura, Angústia, Linguagem, Baixo

Resumo

Pretendemos pensar neste artigo a noção de comunicação, em Georges Bataille, como o que define, de modo mais rigoroso, a experiência da literatura. Partimos, em princípio, de sua polêmica com o surrealismo de 1930 para demarcar o fato de que literatura é o oposto de uma composição formal que obedece a uma expressão intencional do sentido. Ela é antes comunicação que acede ao inominável, fletindo a separação sujeito-objeto para fazer ver, na linguagem, a nudez da experiência de angústia do autor; momento em que, para Bataille, a linguagem, o dizer, coincide com a materialidade de sua enunciação: o baixo material da vida humana. Deste modo, a literatura como comunicação arreda-se de uma exposição realista e constatativa do mundo, no afã de traduzir o referente em significação, para reclamar a possibilidade de dizer a experiência humana ali onde o dizer se subtrai, isto é, na proximidade do enunciador com a experiência limite de sua angústia.

Biografia do Autor

Robson Araujo, Universidade Federal do Ceará

Mestre em Filosofia (UECE) e Doutorando em Filosofia (UFC).

Álvaro Maia, Universidade Federal da Paraíba

Doutor em Filosofia (UFPB).

Referências

BATAILLE, Georges. A experiência interior. Trad. Fernando Scheibe, 1 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

BATAILLE, Georges. A parte maldita. Trad. Júlio Catañon Guimarães, 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013a.

BATAILLE, Georges. Madame Edwarda. Paris: Éditions 10/18, 2002.

BATAILLE, Georges. O culpado. Trad. Fernando Scheibe, 1 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

BATAILLE, Georges. O erotismo. Trad. Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013b.

BATAILLE, Georges. Oeuvres Complètes I. Paris: Gallimard, 1970a.

BATAILLE, Georges. Oeuvres Complétes II. Paris: Gallimard, 1970b.

BATAILLE, Georges. Oeuvres Complètes XI. Paris, Gallimard, 1988.

BATAILLE, Georges. Teoria da Religião. Fernando Scheibe, 1 ed. Belo horizonte: Autêntica Editora, 2015.

BLANCHOT, Maurice. De Kafka à Kafka. Paris: Gallimard, 1981.

DERRIDA, Jacques. A Escritura e a Diferença. Trad. Maria Beatriz Marques Nizza da Silva, Pedro Leite Lopes e Pérola de Carvalho. São Paulo: Perspectiva, 2014.

HEGEL, G.W.F. Enciclopédia das Ciências Filosóficas I. Trad. Paulo Menezes com colaboração de José Machado. São Paulo: Loyola, 1995a.

HEGEL, G.W.F. Enciclopédia das Ciências Filosóficas III. Trad. Paulo Menezes om colaboração de José Machado. São Paulo: Loyola, 1995b.

KLOSSOWSKI, Pierre. La Ressemblence Paris: Éditions Ryau, 1984.

KOJÈVE, Alexandre. Introduction à lecture de Hegel. Paris: Gallimard, 1980.

SANTI, Sylvain. Geroges Bataille, à l’extremité fuyante de la poésie. Paris: Faux Titre, 2007.

SURYA, Michel. Georges Bataille, la mort à l’oeuvre. Paris: Éditions Garamont, 1987.

SWOBODA, Tomasz. Le non-savoir de Georges Bataille et les arts. In: La Négation, Formes, figures, conceptualisation. Tours: Presses universitaires François-Rabelais, p. 271-281, 2006.

Publicado

2023-08-22

Como Citar

ARAUJO, Robson Breno Dourado de; MAIA, Álvaro Lins Monteiro. O mal da literatura: a crítica da forma e da significação em Georges Bataille: De profundis clamavi ad te, Domine. A Palo Seco – Escritos de Filosofia e Literatura, São Cristóvão-SE: GeFeLit, n. 16, p. 19–31, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufs.br/apaloseco/article/view/n16p19. Acesso em: 21 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos