Surrealismo: filosofia de vida e processo de escritura

Autores

Palavras-chave:

Surrealismo, André Breton, Escrita automática, Linguagem, Modernidade

Resumo

Apresenta-se uma possível definição para o surrealismo francês, centrada nas ideias de André Breton, a partir de dois caminhos. Primeiro, considera-se o surrealismo como uma forma de filosofia de vida, que constrói, segundo as suas proposições e intenções, uma ética, uma estética e uma circulação pelo campo político, categoricamente surrealistas. Segundo, considera-se também o surrealismo de André Breton como um processo de escritura, que encarna, suplementa e confere expressão para a primeira definição. A partir dessas perspectivas, compreende-se o surrealismo bretoniano como movimento dinâmico de revisitação e contestação ao espírito de sua época.

Biografia do Autor

Rafael Eduardo Franco, Universidade de São Paulo

Graduação em Psicologia pela FCL-Unesp Assis. Especialização em Teoria Psicanalítica pela PUC-SP (Cogeae). Doutorando em Psicologia pela FFCLRP-USP. Bolsista pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP - 22/10330-7, 19/16894-7, 13/22761-3 e 12/08080-0).

José Francisco Miguel Henriques Bairrão, Universidade de São Paulo

Graduou-se em Psicologia e em Filosofia pela Universidade de São Paulo (FFLCH e IP). Doutorou-se em Filosofia pela Universidade Estadual de Campinas (IFCH) e é Livre-Docente pela Universidade de São Paulo (FFCLRP). Atualmente é pesquisador e docente de Psicologia Social no Departamento de Psicologia da FFCLRP-USP/Ribeirão Preto. Coordena o Laboratório de Etnopsicologia desta instituição.

Referências

BENJAMIN, Walter. Surrealismo: o último instantâneo da inteligência europeia. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. Trad. Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 2012, p. 241-232.

BLANCHOT, Maurice. A parte do fogo. Trad. Ana Maria Scherer. São Paulo: Editora Rocco, 2011.

BIRMAN, Joel. Freud e a filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

BRETON, André; TROTSKY, Leon. Por uma arte revolucionária independente. Trad. Carmen Sylvia Guedes e Rosa Maria Boaventura. São Paulo: Paz e Terra, 1985.

BRETON, André. Le surréalisme et la peinture. Paris: Gallimard, 1979.

BRETON, André. Les champs magnétiques. Paris: Gallimard, 1967.

BRETON, André. Manifesto do surrealismo. In: BRETON, André. Manifestos do surrealismo. Trad. Luiz Forbes. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985, p. 31-82.

BUÑUEL, Luis; DALÍ, Salvador. Um cão andaluz. Roteiro, 1929, n.p. Disponível em: https://www.ufrgs.br/psicopatologia/wiki/index.php?title=Roteiro. Acesso em 22 de julho de 2023.

CHÉNIEUX-GENDRON, Jacqueline. Jacques Lacan, o “Outro” de André Breton. Manuscrítica – Revista de Crítica Genética, [s.l.], v. 29, p. 83-97, 2015.

CHÉNIEUX-GENDRON, Jacqueline. L’envers du monde, L’envers de la langue: Un « travail » surréaliste. In: WERNER, Spies. La Révolution Surréaliste. Paris: Centre Pompidou, 2002, p. 231-242.

CHÉNIEUX-GENDRON, Jacqueline. O Surrealismo. Trad. Mário Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

CHÉNIEUX-GENDRON, Jacqueline. É possível falarmos em estética surrealista?. In: GUINSBURG, Jacob; LEIRNER, Sheila (orgs). O Surrealismo. Trad. Pérola Carvalho. São Paulo: Editora Perspectiva, 2008, p. 73-94.

COLI, Jorge. O Âmago do desejo. In: GUINSBURG, Jacob; LEIRNER, Sheila (orgs). O Surrealismo. São Paulo: Editora Perspectiva, 2008, p. 751-75.

FRANÇA, Maria Inês. Surrealismo entre imaginário e real. In: GUINSBURG, Jacob; LEINER, Sheila (orgs). O Surrealismo. São Paulo: Perspectiva, 2008, p. 723-733.

FREUD, Sigmund. O Eu e o Id. In: FREUD, Sigmund. Obras completas, Volume 16: o Eu e o Id, “Autobiografia” e Outros Textos (1923-1925). Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2011, p. 09-64.

FREUD, Sigmund. Uma dificuldade da psicanálise. In: FREUD, Sigmund. Obras Completas, Volume 14: História de uma neurose infantil (“O Homem dos Lobos”), Além do princípio do prazer e Outros Textos (1917-1920). Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010, p. 179-187.

LEGRAND, Gérard. Surréalisme, langage et communication. In: ALQUIE, Ferdinand (org). Le Surréalisme. Paris: Hermann Editions, 1968, p. 185-200.

LÖWY, Michael. Estrela da Manhã: Surrealismo e marxismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

LÖWY, Michael. Carga Explosiva: O Surrealismo como movimento romântico e revolucionário. In: GUINSBURG, Jacob; LEIRNER, Sheila (orgs). O Surrealismo. São Paulo: Editora Perspectiva, 2008, p. 839-846.

MONNEROT, Jules. La poésie moderne et le sacré. Paris: Gallimard, 1945.

PAZ, Octavio. La búsqueda del comienzo: Escritos sobre el Surrealismo. Madrid: Espiral, 1990.

RAYMOND, Marcel. De Baudelaire ao Surrealismo. Trad. Fúlvia M. L. Moretto e Guacira Marcondes Machado. São Paulo: Editora USP, 1997.

ROUDINESCO, Elisabeth. História da psicanálise na França: A batalha dos cem anos. Volume 2: 1925-1985. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1989.

Publicado

2023-08-22

Como Citar

FRANCO, Rafael Eduardo; BAIRRÃO, José Francisco Miguel Henriques. Surrealismo: filosofia de vida e processo de escritura . A Palo Seco – Escritos de Filosofia e Literatura, São Cristóvão-SE: GeFeLit, n. 16, p. 32–46, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufs.br/apaloseco/article/view/n16p32. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos