A antinomia do Gosto em Madame de Lambert

Autores

Palavras-chave:

Madame de Lambert, Gosto, Je ne sais quoi

Resumo

Inserida numa tradição a que se convencionou chamar de Estética do sentimento, Madame de Lambert afirma que o Gosto é uma espécie de instinto que nos arrasta, que nos conduz mais seguramente do que todos os raciocínios. Para a filósofa, o Gosto depende da experiência e não de qualquer consideração conceitual, ele não está subordinado a regras da beleza, mas a algo indeterminado, mesmo indeterminável. Contudo, esse caráter do Gosto não autoriza o seu relativismo. Parte-se aqui da tensão no pensamento estético de Madame de Lambert, a saber: por um lado, a defesa de uma subjetividade do Gosto, vinculado à adequação do objeto a disposições dos órgãos perceptivos acerca do modelo que desconhecemos; por outro, a busca da filósofa pela formulação de uma resposta crítica, por uma universalidade do Gosto que depende do conceito de exatidão dos sentidos. Assim, pretende-se identificar o elemento indicado por Madame de Lambert a harmonizar a tensão criada em sua estética. A solução da filósofa retoma essa noção de exatidão dos sentidos cara ao pensamento estético da passagem do século XVII para o XVIII, a saber: o je ne sais quoi. Para reconstruir aqui essa solução da filósofa, será necessário articular os textos Reflexões sobre o gosto e Discurso sobre a delicadeza de espírito e de sentimento com a obra em torno da qual esses dois textos orbitam: Reflexões novas sobre as mulheres. Assim, é possível entender que, para Madame de Lambert, o Gosto é esse je ne sais quoi que se sente e não se pode dizer, mas que conhece o que convém e que faz sentir em cada coisa a medida que é preciso ter.

Biografia do Autor

Vladimir de Oliva Mota, Universidade Federal de Sergipe

Doutor em Filosofia pela Universidade de São Paulo (USP). Prof. do Curso de Artes Visuais e do Programa de Pós-Graduação em Filosofia (UFS).

Referências

BATTEUX, Charles. As belas-artes reduzidas a um mesmo princípio. Trad. Natália Maruyama. São Paulo: Humanitas, 2009 (Coleção “A formação da estética”, 3).

BECQ, Annie. Genèse de l’esthétique française moderne: de la Raison classique à l’Imagination créatrice (1680-1814). Paris: Albin Michel, 1994.

BERRENTTINE, Célia. Prefácio. In: BOILEAU-DESPRÉAUX, Nicolas. A arte poética. Trad. Célia Berrettini. São Paulo: Perspectiva, 2012. (Coleção Elos, 34).

BOILEAU-DESPRÉAUX, Nicolas. A arte poética. Trad. Célia Berrettini. São Paulo: Perspectiva, 2012. (Coleção Elos, 34).

BOUHOURS, Dominique. Les entretiens d’Ariste et d’Eugène. Paris: Imprimerie Royalle du Louvre, 1671.

CASSIRER, Ernst. A filosofia do Iluminismo. 3ed. Trad. Álvaro Cabral. Campinas: Editora da UNICAMP, 1997 (Coleção “Repertórios”).

COMBRONDE, Caroline. Réflexions esthétiques dans le rationalismo classique. In: LENAIN, Thierry; LORIES, Danielle. (Org.) Esthétique et philosophie de l’art: repères et thématiques. Bélgica: De Boeck, 2014.

FÉLIBIEN, André. Diálogos sobre a vida e as obras dos mais excelentes pintores antigos e modernos. In: LICHTENSTEIN, Jacqueline. A pintura: textos essenciais. Vol. 4: O belo. Trad. Magnólia Costa. São Paulo: Editora 34, 2004.

JIMENEZ, Marc. O que é estética? Trad. Fúlvia M. L. Moretto. São Leopoldo: UNISINOS, 1999.

LAMBERT, Madame de. Discours sur la delicatesse d’esprit et de sentiment. In:______. Œuvres complètes. Paris: Collin, 1808a.

LAMBERT, Madame de. Réflexions nouvelles sur les femmes. In:______. Œuvres complètes. Paris: Collin, 1808b.

LAMBERT, Madame de. Réflexions sur le Goût. In:______. Œuvres complètes. Paris: Collin, 1808c

LANSON, Gustave. Boileau. 5éd. Paris: Hachette, 1919.

LONTRADE, Agnès. Le plaisir esthétique: naissance d’une notion. Paris: Harmattan, 2004.

MAGDA, Rosa Maria Rodríguez. Introducción. Madame de Lambert: la exigencia del sentimiento. In: LAMBERT, Madame de. Reflexiones sobre la mujer y otros escritos. Traducción Josep Monter Pérez. Valencià: MuVIM, 2007.

PASCAL, Blaise. Pensamentos. Trad. Mário Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

Publicado

2023-08-22

Como Citar

MOTA, Vladimir de Oliva. A antinomia do Gosto em Madame de Lambert. A Palo Seco – Escritos de Filosofia e Literatura, São Cristóvão-SE: GeFeLit, n. 16, p. 8–18, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufs.br/apaloseco/article/view/n16p8. Acesso em: 21 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos