A poética do espelho: G. Rosa entre o niilismo e a esperança

Autores

  • Sílvia Faustino Departamento de Filosofia/UFBA

Resumo

Oitenta anos separam “O espelho”, de Guimarães Rosa, do conto homônimo de Machado de Assis. Se Rosa escreveu o seu para responder ao de Machado, é coisa que a crítica se compraz em discutir. Algo, no entanto, é indiscutível: o retorno de Rosa ao dileto assunto de Machado o converte em tema clássico da história do conto brasileiro. Mas se considerarmos que, em ambos os autores, narradores-protagonistas contam experiências com espelhos e que tais experiências envolvem o autoconhecimento enquanto co-nhecimento da alma, podemos ir mais longe e afirmar que, do escrito do carioca ao do mineiro, é possível ver constituir-se uma poética do espelho. A fim de que se possa contribuir para descrevê-la, que o nosso olhar se dirija agora para o espelho de Rosa.

Publicado

2009-09-01

Como Citar

FAUSTINO, Sílvia. A poética do espelho: G. Rosa entre o niilismo e a esperança. A Palo Seco – Escritos de Filosofia e Literatura, São Cristóvão-SE: GeFeLit, n. 1, p. 27–34, 2009. Disponível em: https://periodicos.ufs.br/apaloseco/article/view/n1p27. Acesso em: 21 abr. 2024.