Heidegger e sua apropriação filosófica de Hölderlin*

Autores

  • Daniel Teixeira da Costa Araujo Doutorando em Letras Neolatinas/UFRJ

Resumo

Inicialmente uma lista de autores e obras modelares, o cânone hoje funciona como meio de assegurar a identidade de uma nação, de um povo, de um grupo, qualquer que seja ele. Assim, pode-se afirmar que há um caráter político em todo cânone, o qual revela uma intenção de controle, seja do que é lido, seja de como deve ser lido (Kermode, 1998), e, uma vez que essas determinações não são fixas nem imutáveis, a historicidade permeia todo ato interpretativo. O presente artigo, ao se colocar nas sendas da intrincada discussão sobre o cânone literário, não tem por intuito chegar a um termo justamente por entender que, no processo de construção do cânone, autores e obras irão compor ou deixar de compor as listas em função da legitimidade atribuída por alguém ou por uma instituição dotado(a) de autoridade em um processo por demais dinâmico.

* Este artigo é uma adaptação do capítulo III de minha dissertação de mestrado, intitulada Friedrich Hölderlin: a sobredeterminaçãopolítica do estético na construção do cânone enquanto gesto tributário da recepção, defendida em 2008.

Referências

ADORNO, Theodor W. Parataxis. In: Notas de literatura. Trad. Celeste Aída Galeão e Idalina Azevedo da Silva. Rio de Janeiro: Ed. Tempo Brasileiro, 1973, p. 73-122.

BAUMANN, Barbara; OBERLE, Birgitta. Deutsche Literatur in Epochen. Ismanning: Max Hueber, 1996. BENJAMIN, Walter. Zwei Gedichte von Friedrich Hölderlin: “Dichtermut”-”Blödigkeit”. In: Gesammelte Schrif- ten. Band II - 1. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1991, p. 105-26.

BLANCHOT, Maurice. O itinerário de Hölderlin. In: O espaço literário. Trad. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Rocco, 1987, p. 270-8.

BOSSERT, A. Histoire de la littérature allemande. Paris: Librairie Hachette, 1891. CARPEAUX, Otto Maria. A literatura alemã. São Paulo: Editora Cultrix, 1964.

DILTHEY, Wilhelm. Vida y poesia. Trad. Wenceslao Roces. Mexico: Fondo de Cultura Econômica, 1945. HEIDEGGER, Martin. Approche de Hölderlin. Trad. Henry Corbin, Michel Deguy, François Fédier et Jean Launay. Paris: Gallimard, 1979.

. Les hymnes de Hölderlin: La Germanie et Le Rhin. Trad. François Fédier e Julien Hervier. Paris: Gallimard, 1988.

HÖLDERLIN, Friedrich. Oeuvre poétique complète. Trad. François Garrigue. Paris: Éditions de la Différence, 2005. (Edição bilingüe francês-alemão).

KERMODE, Frank. El control institucional de la interpretation. In: SULLÀ, Enric (Org.). El canon literario. Madrid: Arco/Libros, 1998, p. 91-112.

LACOUE-LABARTHE, Philippe. Heidegger: la politique du poème. Paris: Editions Galilée, 2002.

PAES, José Paulo. O regresso dos deuses. In: HÖLDERLIN, Friedrich. Poemas. Trad. José Paulo Paes. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

ROSENFELD, Anatol. Esboço de Hölderlin. In: Letras germânicas. Campinas: Ed. Perspectiva, 1993, p. 41- 56.

ROSENFIELD, Kathrin H. Rumo a uma linguagem inacabada: a propósito da ode “Coragem de poeta”, de Hölderlin. In: A linguagem liberada: estética, literatura, psicanálise. São Paulo: Perspectiva, 1989, p. 69-84. WERLE, Marco Aurélio. Poesia e pensamento em Hölderlin e Heidegger. São Paulo: Unesp, 2005.

Publicado

2012-12-13

Como Citar

ARAUJO, Daniel Teixeira da Costa. Heidegger e sua apropriação filosófica de Hölderlin*. A Palo Seco – Escritos de Filosofia e Literatura, São Cristóvão-SE: GeFeLit, n. 4, p. 18–33, 2012. Disponível em: https://periodicos.ufs.br/apaloseco/article/view/n4p18. Acesso em: 17 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos