A Albertine de Proust como tradução da pura hecceidade deleuze-guattariana

Autores

  • Bernardete Oliveira Marantes Doutora em Filosofia/USP

Resumo

Naturalmente não é de se ignorar o peso que as artes, e principalmente a literatura, tem na filosofia de Gilles Deleuze. Uma das obras literárias que mais instigaram esse filósofo foi a obra-prima de Marcel Proust, Em busca do tempo perdido (À la recherche du temps perdu). A leitura filosófica do romance proustiano rendeu para a filosofia uma grande obra, Proust e os signos (Proust et les signes, 1964, 1970, 1976). Afora as virtudes filosóficas da leitura que Deleuze faz da obra de Proust, é latente em Proust e os signos a força da arte, e mais, a força da arte literária como um original elemento – ou um intercessor, como dirá Deleuze –, articulador de um novo pensamento, aquele vislumbrado pelo filósofo francês no pensamento nietzschiano (Nietzsche et la philosophie, 1962). Entretanto, além de avançar nas trilhas da crítica ao pensamento, Proust e os signos enceta uma significativa conexão que será permanentemente mantida pelo pensamento deleuziano, ou seja, o diálogo entre a filosofia e as artes.

Referências

ALLIEZ, Éric. Sur la philosophie de Gilles Deleuze: une entrée en matière. In: Gilles Deleuze: immanence et vie. Paris: Quadrige/PUF, 1998, p. 49-57.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche et la philosophie. 6. ed. Paris: PUF, 1983.

DELEUZE, Gilles. Proust e os signos. Trad. A. Carlos Piquet e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1987.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. O abecedário de Gilles Deleuze (Letra C). (Transcrição do vídeo da série de entrevistas de 1988-89 feitas por Claire Parnet).

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Imanência: uma vida... (Publicado originalmente in: Philosophie, n. 47, 1995: 3-7), p. 4. Disponível online: http://pt.scribd.com/doc/7182897/Deleuze-Gilles-A-Imanencia-Uma-Vida. Acessado em: 8/06/2012 – Trad. T. Tadeu da Silva, revisão Sandra M. Corazza, s.d.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs. Vol. 1. Trad. Aurélio Guerra Neto e Célia P. Costa. São Paulo: Ed. 34, 1995.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 3. Trad. Suely Rolnik. São Paulo: Ed. 34, 1996.

DELEUZE, Gilles. Lógica do sentido. Trad. Luiz R. Salinas Fortes. São Paulo: Perspectiva, 1998.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos. Trad. Eloisa de A. Ribeiro. São Paulo: Escuta, 1998a.

DELEUZE, Gilles. A imagem-tempo. Trad. Eloisa de A. Ribeiro; revisão filosófica Renato J. Ribeiro. São Paulo: Ed. Brasiliense, 2005. (Cinema 2).

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs. Vol. 4. Trad. Suely Rolnik. São Paulo: Editora 34, 2007.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a filosofia. Trad. Bento Prado Jr. e Alberto A. Muñoz. São Paulo: Ed. 34, 2007a.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Conversações (1972-1990). 7. reimp. Trad. Peter P. Pelbart. São Paulo: Ed. 34, 2008.

DELEUZE, Gilles. Bergsonismo. Trad. Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Ed. 34, 2008b.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Trad. revista de Luiz Orlandi e Roberto Machado. São Paulo: Edições Graal, 2009.

ESPINOSA, Baruch de. Ética. Trad. Marilena de Souza Chaui et al. São Paulo: Abril, 1983, p. 173-221. (Parte III: Da origem e da natureza dos afetos). (Os Pensadores).

MARANTES, Bernardete Oliveira. O vestido de Proust: uma construção na trama das correspondências. Tese (Doutorado) – São Paulo, USP. 2011.

MARTIN, Jean-Clet. Variations: la philosophie de Gilles Deleuze. Paris: Payot, 1993.

MENGUE, Philippe. Gilles Deleuze ou le système du multiple. Paris: Kimé, 1994. PELBART, Peter Pál. O tempo não-reconciliado. São Paulo: Perspectiva/Fapesp, 1998.

PROUST, Marcel. À la recherche du temps perdu. Édition J.-Y. Tadié (vol. I, II, II, IV). Paris: Gallimard, 1987-89. (Bibliothèque de la Pléiade).

SASSO, Robert; VILLANI, Arnaud (Org.). Le vocabulaire de Gilles Deleuze. Paris: Librairie Philosophique J. Vrin, 2003. (Les Cahiers de Noesis, n. 3).

SAUVAGNARGUES, Anne. Deleuze et l’art. Paris: PUF, 2006.

SCHÉRER, René. L’écriture, la vie. In: Régards sur Deleuze. Paris: Éd. Kimé, 1998, p. 10-21.

ZOURABICHVILI, François. O vocabulário de Gilles Deleuze. Trad. André Telles. Rio de Janeiro, 2004. [Digitalização e disponibilização da versão eletrônica: Centro Interdisciplinar de Estudo em Novas Tecnologias e Informação – IFCH-Unicamp, acessado em 8/06/2012].

Publicado

2012-12-13

Como Citar

MARANTES, Bernardete Oliveira. A Albertine de Proust como tradução da pura hecceidade deleuze-guattariana. A Palo Seco – Escritos de Filosofia e Literatura, São Cristóvão-SE: GeFeLit, n. 4, p. 8–17, 2012. Disponível em: https://periodicos.ufs.br/apaloseco/article/view/n4p8. Acesso em: 21 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos