Os efeitos cômicos dos prólogos plautinos

Autores

  • José Amarante Santos Sobrinho Instituto de Letras/UFBA

Resumo

O prólogo é uma das partes de que se compunha a comédia, mas, como a comédia era mais livre em sua composição do que a tragédia, nem sempre estava sujeita às regras estruturais estabelecidas. Em Plauto, por exemplo, o prólogo não aparece em cinco de suas vinte e uma peças (Curculio, Epidicus, Mostellaria, Persa e Stichus). Em outras peças, o prólogo perde seu lugar habitual de exposição inicial e migra para outros setores estruturais da peça, como na Cistellaria, em que o prólogo, feito pelo Deus Auxílio, aparece na cena três para explicar o assunto da comédia, ou no Miles Gloriosus, em que o prólogo ocorre no segundo ato, feito pelo personagem Palestrião, um escravo que narra suas artimanhas para unir dois amantes.

Referências

BERGSON, Henri. O Riso. Ensaio sobre a significação da Comicidade. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BURNS, Edward McNall. História da Civilização Ocidental: do homem das cavernas até a bomba atômica. Porto Alegre: Globo, 1971, 2 ed., vol. 1.

CARDOSO, Isabella Tardin Cardoso. Estico de Plauto. Introdução, tradução e notas. Campinhas: Editora da UNICAMP, 2006.

CARDOSO, Zélia de Almeida. A literatura latina. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

COSTA, Lilian Nunes da. Mesclas genéricas na tragicomédia Anfitrião de Plauto. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas, SP, 2010.

COSTA, Lilian Nunes da. Metapoesia no prólogo da tragicomédia Anfitrião de Plauto. Língua, Literatura e Ensino, Maio/2008 – Vol. III. p. 118-126.

PASCOLATI, Sonia Aparecida Vido. Metateatro na dramaturgia de Jean Anouilh. In: SANTOS, Volnei Edson dos (org.). Sopros do silêncio. Londrina, EDUEL, 2008. p. 223 – 248(?).

PLAUTE. Comédies. Texte établi et traduit par Alfred Ernout. Tome I. Paris: Les Belles Lettres, 2001.

PLAUTE. Comédies. Texte établi et traduit par Alfred Ernout. Tome IV. Paris: Les Belles Lettres, 2003.

PLAUTO E TERÊNCIO. A comédia latina: Anfitrião, Aululária, Os cativos, O gorgulho, Os adelfos, O eunuco. Prefácio, escolha, tradução e notas de Agostinho da Silva. Rio de Janeiro/Porto Alegre/São Paulo: Editora Globo, 1952.

PLAUTO. Anfitrião. Introd., trad. e notas de Carlos Alberto Louro Fonseca. Lisboa: Edições 70, 1996.

PLAUTO. Comédias I. Intr. Geral de Aires Pereira do Couto. Intr., trad. e notas de Carlos Alberto Louro Fonseca, Aires Pereira do Couto, Walter de Medeiros, Cláudia Teixeira e Helena Costa Toipa. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra/Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2006.

PLAUTO. Obras Completas. Trasladadas de lengua latina al español por P. A. Martín Robles. Buenos Aires: Librería “El Ateneo” Editorial, 1947.

PLAUTO. Os menecmos (Menaechmi). Tradução e adaptação de José Dejalma Dezotti. Araraquara: FCL/UNESP, 2002.

PLAUTO. Truculentus. Tradução, introdução e notas de Adriano Milho Cordeiro. Coimbra: Universidade de Coimbra/Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos, 2010.

ROCHA, Carol Martins da. Perfume de mulher: riso feminino e poesia em Cásina. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas, SP, 2010.

Publicado

2013-11-20

Como Citar

SOBRINHO, José Amarante Santos. Os efeitos cômicos dos prólogos plautinos. A Palo Seco – Escritos de Filosofia e Literatura, São Cristóvão-SE: GeFeLit, v. 1, n. 5, p. 42–52, 2013. Disponível em: https://periodicos.ufs.br/apaloseco/article/view/n5v1p42. Acesso em: 17 abr. 2024.