Humor e crítica em Jacques, o fatalista, e seu amo, de Denis Diderot

Autores

  • Nilson Adauto Guimarães da Silva Departamento de Letras/UFV

Resumo

Neste ano em que se comemora o tricentenário de nascimento de Diderot, um dos maiores re- presentantes do Iluminismo francês e principal responsável pela grandiosa empreitada da Encyclopédie, abordamos seu romance mais conhecido, com enfoque especial sobre sua dimensão cômica, associada frequentemente à ironia e à critica social.

Referências

CHARTIER, Pierre. Préface. In: DIDEROT, Denis. Jacques le fataliste. Paris: Le livre de poche, 2000.

DIDEROT, Denis. Jacques, o Fatalista, e seu amo. Trad. Magnólia Costa Santos. São Paulo: Nova Alexandria, 1993.

KANT, Immanuel. Resposta à pergunta: O que é o Esclarecimento? Trad. de Luiz Paulo Rouanet. Disponível em: http://ensinarfilosofia.com.br/__pdfs/e_livors/47.pdf. Consulta em 26/2/2013.

KUNDERA, Milan. A arte do romance. São Paulo: Companhia das letras, 2009.

LORENZ, Konrad. A Agressão, uma história natural do mal. Relógio d’Água: Lisboa, 2001.

VAZ, Henrique C. L. Antropologia Filosófica. Vol. 1. São Paulo: Loyola, 1992.

VIEIRA, Yara Frateschi. Introdução. In: RABELAIS, François. Gargantua. Trad. Aristides Lobo. São Paulo: Hucitec, 1986.

Publicado

2013-11-20

Como Citar

SILVA, Nilson Adauto Guimarães da. Humor e crítica em Jacques, o fatalista, e seu amo, de Denis Diderot. A Palo Seco – Escritos de Filosofia e Literatura, São Cristóvão-SE: GeFeLit, v. 2, n. 5, p. 34–49, 2013. Disponível em: https://periodicos.ufs.br/apaloseco/article/view/n5v2p34. Acesso em: 21 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos