Linguagem e imaginação: a filosofia da literatura nos primeiros escritos de Sartre*

Autores

  • Tárik de Athayde Prata Departamento de Filosofia/UFPE

Resumo

Desde a mais tenra infância, Jean-Paul Sartre (1905-1980) foi estimulado por seu ambiente familiar a seguir uma carreira intelectual. Crescendo na casa de seu avô, o professor de alemão Charles Schweitzer, ele foi “preparado desde cedo a tratar o magistério como um sacerdócio e a literatura como uma paixão” (SARTRE, 1967, p. 30). Mas foi apenas por volta de 1922, durante a preparação para o concurso da École Normale Superieure, que Sartre tomou verdadeiro contato com uma disciplina que iria marcar profundamente seus caminhos: a filosofia. Até então, ele tinha alimentado o projeto de uma carreira literária, mas a partir da leitura do livro Ensaio sobre os dados imediatos da consciência, de Henri Bergson (1859-1941), ele se tornou “um filósofo por fervor e necessidade, compreendendo que tem nas mãos um instrumento muito mais poderoso, muito mais útil do que qualquer outra revelação anterior. Daí por diante confere, ao que chama de filosofia, uma condição de extrema onipotência” (COHEN-SOLAL, 1986, p. 90).

* Gostaria de agradecer ao Prof. Dr. Thiago Aquino (Filosofia/UFPE) pela leitura e proveitosa discussão do presente trabalho.

Referências

ASTRUC, A.; CONTAT, M. Sartre por ele mesmo. Direção: Alexandre Astruc; Michel Contat: L’institut national de l’audiovisuel, 1976. (tempo: 3h, 09’, 17”).

BEAUVOIR, S.; SARTRE, J.-P. “Entrevistas com Jean-Paul Sartre (Agosto - Setembro de 1974)” In: Beauvoir, S. A cerimônia do adeus. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

BECKERMANN, A. Analytische Einführung in die Philosophie des Geistes. Berlin, New York: Walter de Gruyter, 2001.

BRENTANO, F. Psychologie vom empirischen Standpunkt. 2ª ed. Leipzig: Meiner, 1924. [original de 1874].

COHEN-SOLAL, A. Sartre – 1905-1980. Porto Alegre; São Paulo: LPM Editores, 1986.

MASLIN, K. T. Introdução à filosofia da mente. 2ª edição. Porto Alegre: Artmed, 2009.

SARTRE, J.-P. As Palavras. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1967.

SARTRE, J.-P. “A imaginação” In: O existencialismo é um humanismo; A imaginação; questão de método. São Paulo: Abril Cultural, 1978a, pp. 35-107. (Coleção Os Pensadores). [orig. 1936].

SARTRE, J.-P. O imaginário: psicologia fenomenológica da imaginação. São Paulo: Editora Ática, 1996. [orig. 1940].

SARTRE, J.-P. O que é a literatura. 3ª ed. Editora Ática: São Paulo, 2004. [orig. 1948].

SARTRE, J.-P. “Tradução do texto de Jean-Paul Sartre: une idée foundamentale de la phénoménologie de Husserl: L’intentionalité” In: Veredas Favip, Caruaru, Vol 2, no 1, pp. 102-107, jan-jun 2005. [orig. 1939].

SARTRE, J.-P. “A transcendência do ego – esboço de uma descrição fenomenológica” In: Cadernos Espinosanos, XXII, pp. 183-228, 2010. [orig. 1936].

Publicado

2013-11-20

Como Citar

PRATA, Tárik de Athayde. Linguagem e imaginação: a filosofia da literatura nos primeiros escritos de Sartre*. A Palo Seco – Escritos de Filosofia e Literatura, São Cristóvão-SE: GeFeLit, v. 2, n. 5, p. 78–89, 2013. Disponível em: https://periodicos.ufs.br/apaloseco/article/view/n5v2p78. Acesso em: 21 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos