Moderação e paideia na cidade ideal: Platão contraria a poesia na república?

Autores

  • Felipe Gustavo S. da Silva Mestrando em Filosofia/UFPE

Palavras-chave:

Poesia, Moderação, Educação

Resumo

Este trabalho tem como objetivo analisar a natureza da poesia, via literária, sob o viés da proposta platônica na República. Na Paideia grega, o elemento da moderação aparece como fundamental nas ações a serem desenvolvidas pelo homem tanto no meio social quanto no restrito. Este elemento é objeto presente na República platônica, em que temos a oportunidade de verificar a importância de uma educação que visasse à moderação para a formação de uma cidade ideal, edificada pelo homem virtuoso. Mais especificamente, iremos tratar neste trabalho, como Sócrates sugere que deve conduzir-se a educação dos guardiões na República, e quais elementos seguir ou rejeitar nessa formação - destacando aqui o ideal da moderação e a proposta de “expulsar” a poesia mimética da cidade, conforme descrito no livro III e X. É nosso interesse analisar a educação proposta aos guardiões da cidade ideal como um apelo platônico à moderação. Neste trabalho, pretendemos responder a pergunta: Por que Platão despreza a poesia? O que ela tem a ver com a moderação e com a educação dos guardiões? A partir disso, pretendemos justificar o porquê de Platão adotar seu posicionamento frente ao processo educativo dos guardiões da cidade. Propomos uma leitura a partir do conceito de moderação, o que nos leva a concordar com o autor que, de fato, no contexto antigo, parece realmente necessário banir a poesia, devido ao fato dela incitar veementemente as partes mais baixas da alma, “alimentando” elementos da alma que deveriam ser controlados visando a Virtude. Ademais, é nosso interesse demonstrar que Platão não contraria a literatura sob véu poético mas apenas seleciona o modo e indica o caminho pedagógico para que, através da moderação, possa-se chegar à excelência.

Referências

ARAÚJO JÚNIOR., Anastácio. Borges de. Os sentidos da Eleuthería na República de Platão. Archai, n. 9, jul-dez 2012, pp. 27-36.

BARROS, Chimena M. S. A Poesia na Filosofia Heideggeriana: Uma Breve Investigação Rumo à Crítica. Terra roxa e outras terras Revista de Estudos Literários, v. 5 (2005) 2-16. ISSN 1678-2054h.

GOMPERZ, Theodor. Os pensadores da Grécia. História da Filosofia Antiga. Tomo II- Filosofia socrática e platônica. São Paulo: Ícone, 2013.

JANAWAY, Christopher. Platão e as artes. Org. HUGH H. Benson e colaboradores. Porto alegre: Artmed, 2011.

PLATÃO. A República. Tradução, textos complementares e notas de Edson Bini. Bauru, SP: Edipro, 2006.

JAEGER, Werner. Paidéia. A formação do homem grego. 5 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

MURRAY, Penelope. (Ed.). Plato on Poetry. New York; Melbourne: Cambridge University Press, 1996.

RAMOS DE SOUZA, Jovelina Maria. Platão e a crítica mimética à mimesis. Cadernos UFS- Filosofia, Fasc. XI, v. 5, 2009, p. 52.ISSN 1807-3972.

VILLELA-PETIT, Maria da Penha. Platão e a poesia na República. Kriterion [online]. 2003, vol. 44, n. 107, pp. 51-71. ISSN 0100-512X.

Publicado

2014-12-10

Como Citar

SILVA, Felipe Gustavo S. da. Moderação e paideia na cidade ideal: Platão contraria a poesia na república?. A Palo Seco – Escritos de Filosofia e Literatura, São Cristóvão-SE: GeFeLit, n. 6, p. 56–63, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufs.br/apaloseco/article/view/n6p56. Acesso em: 21 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos