O riso pícaro: entre a denúncia, a lição e a mera diversão

Autores

  • Leonor Demétrio da Silva Mestre em Letras/UFS

Palavras-chave:

Picaresca, Comicidade, Carnavalização, Sátira

Resumo

O romance picaresco sempre esteve adscrito aos gêneros cômicos. Seu protagonista pícaro, trapaceiro e fingidor fez dessa tradição literária um terreno fértil no campo da comicidade. O personagem, amiúde associado ao bobo da corte medieval, será o alvo da gargalhada do leitor. Sua posição baixa na sociedade, assim como suas aspirações de nobreza em um momento histórico em que o sistema feudal estamental tentava sobreviver, tornou sua missão em uma tarefa difícil e cheia de incidentes de caráter cômico. Através do presente artigo, procuraremos discutir como o humor festivo popular carnavalesco, assim como o humor desapiedado da sátira moderna estiveram sempre presentes nesse tipo de romance. Sua função oscilará entre denunciar os movimentos sociais que o incipiente capitalismo do Barroco espanhol começava a permitir, dar lições de moral aos indivíduos que ousavam quebrar a ordem social e divertir o público que censurava tal atrevimento.

Referências

ALEMÁN, Mateo. El Guzmán de Alfarache. In: La novela picaresca española. Madrid: Castalia, 2001.

ANÓNIMO. El Lazarillo de Tormes. In: La novela picaresca española. Madrid: Castalia, 2001.

ARELLANO, Ignacio. Prólogo Bufones pícaros y pícaros bufones. In: De bufones y pícaros: la risa en la novela picaresca. Madrid: Iberoamericana / Vervuert / Universidad de Navarra, 2010.

ARISTÓTELES. Poética. In: Os pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na idade Média e no Renascimento. São Paulo: Hucitec, 2002.

BASANTA, Ángel. Introducción e Orientaciones para el estudio. In: El Buscón. Madrid: Castalia, 1983.

BERSONG, Henri. O riso. Ensaio sobre a significação da comicidade. São Paulo: Martin Fontes, 2004.

CAVILLAC, Michel. Política y poética en el guzmán de Alfarache. In: atas do III Congreso Internacional de AISO. Burdeaux: Université Michel de Montaigne-Bordeaux III, 1993. Disponível em: http://cvc.cervantes.es/literatura/aiso/pdf/03/aiso_3_3_013.pdf. Último acesso em: 30 ago. 2014.

CAVILLAC, Michel. Pícaros y mercaderes en el Guzmán de Alfarache. Reformismo burgués y mentalidad aristocrática en la España del Sigo de Oro. Granada: Universidad de Granada, 1984.

CERVANTES, Miguel de. El ingenioso hidalgo Don Quijote de La Mancha. Madrid: Espasa-Calpe, 1989.

CLOSE, Anthony. Cervantes y la mentalidad cómica de su tiempo. Alcalá de Henares (Madrid): Centro de Estudios Cervantinos, 2007.

CUSTODIO, Olga. Ideas sobre la comedia y el arte de La risa de Bergson en Tartufo de Moliére. Universidad San Carlos de Guatemala. Disponível em: http://arje.usac.edu.gt/?p=215. Último acesso em: 23 set. 2014.

FREUD, Sigmund. El chiste y su relación con lo inconsciente. In: Obras Completas (Vol. VIII). Buenos Aires: Amorrortu Editores, 1991.

GARRIDO ARDILA, Juan Antonio. El género picaresco en la crítica literaria. Madrid: Biblioteca Nueva, 2008.

GONZÁLEZ, Mario. A saga do anti-herói. São Paulo: Nova Alexandria, 1994.

KESHAVJEE, Faranaz. Anti-islamismo: o choque das ignorâncias. In: Danças dos Demônios – Intolerância em Portugal. Coordenação: António Marujo e José Eduardo Franco. Lisboa: Temas e Debates (Círculo de leitores), 2009. p. 91-121.

MARAVALL, José Antonio. La literatura picaresca desde la historia social. Madrid: Taurus, 1986.

MARAVALL, José Antonio. La cultura del Barroco. Barcelona: Editorial Ariel, 2002.

MARUJO, António e FRANCO, José Eduardo. Introdução. In: Dança dos demónios. Lisboa: Temas e debates (Círculo de leitores), 2009.

MUCZNIK, Esther. Anti-semitismo: uma velha questão, actual. In: Danças dos Demônios – Intolerância em Portugal. Coordenação: António Marujo e José Eduardo Franco. Lisboa: Temas e Debates (Círculo de leitores), 2009. p. 31-87.

QUEVEDO, Francisco de. El Buscón. Madrid: Castalia, 1983.

REY HAZAS, Antonio. Introducción. In: Lazarillo de Tormes. Madrid: Castalia, 1984.

RONCERO LÓPEZ, Victoriano. De bufones y pícaros: la risa en la novela picaresca. Madrid: Iberoamericana / Vervuert / Universidad de Navarra, 2010.

ROTTERDAM, Erasmo de. Elogio da loucura. São Paulo: Martin Claret, 2004.

Publicado

2014-12-10

Como Citar

SILVA, Leonor Demétrio da. O riso pícaro: entre a denúncia, a lição e a mera diversão. A Palo Seco – Escritos de Filosofia e Literatura, São Cristóvão-SE: GeFeLit, n. 6, p. 86–96, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufs.br/apaloseco/article/view/n6p86. Acesso em: 21 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos