O devir em Julio Cortázar: ressurgências da animalidade na literatura contemporânea

Autores

Palavras-chave:

Homem, Animal, Devir, Julio Cortázar

Resumo

O presente estudo evidencia o modo como o “devir” (DELEUZE; GUATTARI,1997, p. 8) se configura no interior do conto “Carta a uma senhorita em Paris” (1986), de Julio Cortázar. Com fundamentação no pensamento de Gilles Deleuze e Félix Guattari, verificam-se por quais procedimentos as culturas ocidentais dão forma ao humano, questão abordada também por Gabriel Giorgi (2016). Feito esse reconhecimento, procura-se imaginar, como exercício não apenas filosófico, mas também poético, figurações do humano, do sujeito e do indivíduo não apropriadas pelas tecnologias de poder, examinadas por Michel Foucault (2005). Sob essa formatação, constata-se, no texto de Cortázar, a materialização do corpo como instância de multiplicidade, resultado do gesto afetivo entre humano e não humano. Em suma, atesta-se uma operação ficcional que rompe com as gramáticas corporais, além de potencializar as produções de subjetividade.

Biografia do Autor

Hiandro Bastos da Silva, Universidade Federal do Oeste do Pará

Mestrando (UFOPA).

Lauro Roberto do Carmo Figueira, Universidade Federal do Oeste do Pará

Professor Associado (UFOPA).

Referências

AGAMBEN, G. O aberto: o homem e o animal. Tradução de Pedro Mendes. 2ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

ARREOLA, J. J. Confabulario. Tradução de Iara Tizzot. 1ª ed. Curitiba: Arte & Letra, 2015.

BENEDETTO, A. D. Mundo animal e outros contos. Tradução de André de Oliveira Lima. 1ª ed. Porto Alegre: Editora Globo, 2008.

COPI. La cité des rats. 1ª ed. Paris: Belfond, 1979.

CORTÁZAR, J. Bestiário. Tradução de Remy Gorga Filho. 1ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

CORTÁZAR, J. Obra Crítica. Tradução de Paulina Wacht e Ari Roitman. 1ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998. v. 1.

CORTÁZAR, J. Obra Crítica. Tradução de Paulina Wacht e Ari Roitman. 1ª. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999. v. 2.

CORTÁZAR, J. Valise de cronópio. Tradução de Davi Arrigucci Júnior e João Alexandre Barbosa. 2ª. São Paulo: Perspectiva, 2006.

DELEUZE, G; GUATTARI, F. Kafka: Por uma literatura menor. Tradução de Rafael Godinho. 4ª ed. Lisboa: Editora Assírio & Alvim, 2003.

DELEUZE, G; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de

Suely Rolnik. 1ª ed. São Paulo: Editora 34, 1997. v. 4.

DELEUZE, G; GUATTARI, F. O Anti-Édipo. Tradução de Luiz B. L. Orlandi. 1ª ed. São Paulo: Editora 34, 2010.

DERRIDA, Jacques. O animal que logo sou. Tradução de Fábio Landa. 1a ed. São Paulo: Unesp, 2002.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade. Tradução de Maria Ermantlna Galvão. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. Tradução de Vera Porto Carrero e Gilda Gomes Carrero. 2ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

GIORGI, G. Formas comuns: animalidade, literatura e biopolítica. Tradução de Carlos Nougué. 1a ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2016.

LESTEL, D. As Origens Animais da Cultura. Instituto Piaget. Coleção Epistemologia e Sociedade. Tradução de Maria João Batalha Reis. 2ª ed.- 2002.

MACIEL, M. E. Literatura e animalidade. 1ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

MONTERROSO, A. A ovelha negra e outras fábulas. Tradução de Millôr Fernandes. 2ª ed. São Paulo: Cosac & Naify, 2014.

ROAS, David. A ameaça do fantástico. Tradução de Julián Fuks. 1a Edição. São Paulo: Unesp, 2013.

Publicado

2023-08-22

Como Citar

SILVA, Hiandro Bastos da; FIGUEIRA, Lauro Roberto do Carmo. O devir em Julio Cortázar: ressurgências da animalidade na literatura contemporânea. A Palo Seco – Escritos de Filosofia e Literatura, São Cristóvão-SE: GeFeLit, n. 16, p. 56–69, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufs.br/apaloseco/article/view/n16p56. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos