“O país do futuro / tem um imenso passado pela frente”

a ecoescrevivência na literatura de autoria feminina negra

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47250/forident.v38n1.p129-145

Palavras-chave:

Racismo, Memória cultural, Necropolítica, Ecologia, Ecocrítica

Resumo

A memória de um passado colonial e escravocrata no Brasil emerge em cada bala “perdida” que “encontra” um corpo negro como alvo. Essa necropolítica de cor e de classe social, sustentada por séculos e fantasiada por uma “democracia racial”, revela não somente a morte de determinado grupo como fato e ponto de discussão isolados. Ela desenha uma trilha de corpos que se confundem com a história da construção desse país: autoritário, racista e violento. As produções de mulheres negras, aqui representadas por Conceição Evaristo, Lubi Prates e Eliana Alves Cruz reconstroem o que foi apagado pelo sistema colonial: narrativas individuais e coletivas das nações ocupadas, em prol de uma imposição branca e imperial de civilização que condena o que se considera “Outro” ao aniquilamento. É nesse sentido que as escritoras, ao desmontarem o discurso dominante, restituindo o que Lélia Gonzalez definiu como “uma história que não foi escrita, o lugar de emergência da verdade” (Gonzalez, 2020, p. 65), descolonizam a memória e a história, ecologizando suas escrevivências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maximiliano Torres, Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

Professor de Teoria Literária e Literatura Brasileira da UERJ, Doutor em Ciência da Literatura (UFRJ), Líder do GEFIS (Grupo de Estudos Feministas e Interseccionais – UERJ/CNPq).

Referências

ADORNO, Theodor W. Teoria freudiana e o padrão da propaganda fascista. In:--– Ensaios sobre psicologia social e psicanálise. Trad. Verlaine Freitas. São Paulo: Editora Unesp, 2015. p. 153-189.

AZEVEDO, Beatriz. O país do futuro / tem um imenso passado pela frente. In: ASSUNÇÃO, Ademir & FREIRE, Marcelino. Orgs. LulaLivre / LulaLivro. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2018.

CARNEIRO, Sueli. Escritos de uma vida. São Paulo: Pólén Livros, 2019.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. Trad. Jamille Pinheiro Dias. São Paulo: Boitempo, 2019.

CRUZ, Eliana Alves. Água de Barrela. Rio de Janeiro: Malê, 2018.

DAVIS, Angela; DENT, Gina; MEINERS, Erica R.; RICHIE, Beth E. Abolicionismo. Feminismo. Já. Trad. Raquel de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2023.

DAVIS, Angela. Prefácio. In: FERDINAND, Malcom. Uma ecologia decolonial: pensar a partir do mundo caribenho. Trad. Letícia Mei. São Paulo: Ubu Editora, 2022. p. 9-14.

EVARISTO, Conceição. Poemas da recordação e outros movimentos. Rio de Janeiro: Malê, 2017.

EVARISTO, Conceição. A Escrevivência e seus subtextos. In: DUARTE, Constância Lima; NUNES, Isabella Rosaldo, orgs. Escrevivências: a escrita de nós, reflexões sobre a obra de Conceição Evaristo. Rio de Janeiro: Mina Construção e Arte, 2020. p. 26-46.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Trad. Lígia Fonseca Ferreira, Regina Salgado Santos. Rio de Janeiro: Zahar, 2022.

FERDINAND, Malcom. Uma ecologia decolonial: pensar a partir do mundo caribenho. Trad. Letícia Mei. São Paulo: Ubu Editora, 2022.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1976). Trad. Maria Ermantina de Almeida Prado Galvão. 2 ed. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 2010.

FRASER, Nancy. O velho está morrendo e o novo não pode nascer. Trad. Gabriel Landi Fazzio. São Paulo: Autonomia Literária, 2020.

FRIEDAN, Betty. A mística feminina. Trad. Carla Bitelli, Flávia Yacubian. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2020.

GAARD, Greta & MURPHY, Patrick D.; eds. Ecofeminist Literary criticism – Theory, Interpretation, Pedagogy. Urbana and Chicago, University of Illinois Press, 1998.

GILROY, Paul. O Atlântico Negro: modernidade e dupla consciência. 2 ed. Trad. Cid Knipel Moreira. São Paulo: Editora 34; Rio de Janeiro: Universidade Candido Mendes, 2012.

GLOTFELTY, Cheryll. Introduction-literary studies in an age of environmental crisis. In: GLOTFELTY, Cheryll & FROMM, Harold; eds. The ecocristicism reader – landmarks in literary ecology. Athens / London, The Univ. of Georgia Press, 1996, p. XV-XXXVII.

GONZALES, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Org. Flávia Rios e Márcia Lima. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

GUATTARI, Félix. Práticas ecosóficas e restauração da cidade subjetiva. Trad. Andrea Morais Alves. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, 116: p. 9-26, jan.-mar., 1994.

GUATTARI, Félix. As três ecologias. 15ed. Trad. Maria Cristina F. Bittencourt. Campinas, SP, Papirus, 2004.

HADDAD, Fernando. O terceiro excluído: contribuição para uma antropologia dialética. Rio de Janeiro: Zahar, 2022.

HAN, Byung-Chul. Não-coisas: reviravoltas do mundo da vida. Trad. Rafael Rodrigues Garcia. Petrópolis, RJ: Vozes, 2022.

HIRSCH, Marianne. The generation of postmemory. Poetics today, v.29, n.1, p. 28-103, 2008.

HOOKS, bell. O olhar opositivo: a espectadora negra. Fora de quadro. Trad. Carol Almeida. Disponível em: https://foradequadro.com/2017/05/26/o-olhar-opositivo-a-espectadora-negra-por-bell-hooks. Acesso em: 01 de out. de 2021.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Trad. Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Editora Cobogó, 2019.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

MAAR, Wolfgang Leo. O que é política. 16 ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

MIES, Maria & SHIVA, Vandana. Ecofeminismo. Trad. Fernando Dias Antunes, Lisboa, Coleção Epistemologia e Sociedade, Instituto Piaget, 1993.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Artes & Ensaios – Revista do Ppgav/eba/UFRJ, n. 32, p. 123-151, dezembro de 2016.

MUNANGA, Kabengele & GOMES, Nilma Lino. O negro no Brasil de hoje. 2 ed. São Paulo: Global, 2016.

NASCIMENTO, Beatriz. Uma história feita por mãos negras: relações raciais, quilombos e movimentos; Ratts, Alex; org. Rio de Janeiro: Zahar, 2021.

OLIVEIRA, Luiz Henrique; RODRIGUES, Fabiane Cristine. Trajetórias editorias da literatura de autoria negra brasileira. Rio de Janeiro: Malê Editora, 2022.

PRATES, Lubi. Um corpo negro. 2ed. São Paulo: Nosotros, 2019.

RUFINO, Luiz. Vence-demanda: educação e descolonização. Rio de Janeiro: Mórula, 2021.

SANTOS, Laís. Tempo e caos. In: ARRAES, Jarid. Poetas negras brasileiras: uma antologia. São Paulo: Editora de Cultura, 2021. p. 68.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Sobre o autoritarismo brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

TOKARCZUK, Olga. Escrever é muito perigoso: ensaios e conferências. Trad. Gabriel Borowski. São Paulo: Todavia, 2023.

Publicado

2023-12-30

Como Citar

TORRES, Maximiliano. “O país do futuro / tem um imenso passado pela frente”: a ecoescrevivência na literatura de autoria feminina negra. Revista Fórum Identidades, Itabaiana-SE, v. 38, n. 1, p. 129–145, 2023. DOI: 10.47250/forident.v38n1.p129-145. Disponível em: https://periodicos.ufs.br/forumidentidades/article/view/v38p129. Acesso em: 18 abr. 2024.

Edição

Seção

Por que escrevem as mulheres e as representações do corpo-mulher