As lesbianidades espiraladas em ‘Vó, a senhora é lésbica?’

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47250/forident.v38n1.p59-71

Palavras-chave:

Lesbianidades, Espirais, Desejo

Resumo

Este artigo apresenta a figura geométrica da espiral como metáfora para analisar as relações de desejos e a construção da subjetividade das personagens lésbicas do conto “Vó, a senhora é lésbica?”, publicado na obra Amora (2015), de Natalia Borges Polesso. Teoricamente, subsidiam tal análise as pesquisas de Albuquerque Júnior (2014), Beauvoir (1990), Pascual (2002), Roque (2012), Sedgwick (2007), dentre outros pesquisadores que discutem de gênero e sexualidades, assim como os que postulam acerca da Geometria Euclidiana. Através do processo diegético, tornou-se evidente a espiral um elemento possível para visualizar as relações lesbianas na literatura, construídas, sobretudo, com base nos desejos vivenciados ao longo da vida adulta até a velhice – fase da vida que ficou convencionada a ser menosprezada socio e culturalmente na realidade brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Micaela Sá da Silveira, Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA

Professora da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA). Doutora em Literatura e Interculturalidade.

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. Algaravias do Desejo ou de como se tenta atracar um navegante e etc. In: SILVA, Antonio de Pádua Dias da; MORAIS, Raffaela Medeiros; SILVA, Taciano Valério Alves da. (Org.). Interfaces: gênero, discursos, linguagens. São Paulo: Scortecci, 2014, p. 15-34.

ALMEIDA, Ana Luiza Nunes. Poéticas (e) políticas da alteridade em Amora, de Natália Borges Polesso. 2019. 135f. Tese (Doutorado em Teoria, Crítica e Comparatismo) – Programa de Pós-Graduação em Letras do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2019.

BEAUVOIR, Simone. A Velhice. Tradução de Maria Helena Franco Monteiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

DALCASTAGNÈ, Regina. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Vinhedo: Editora Horizonte/ Rio de Janeiro: Editora da UERJ, 2012.

PASCUAL, Cosme. Puerto. A sexualidade do idoso vista com novo olhar. São Paulo: Loyola, 2002.

POLESSO, Natália Borges. Amora. Porto Alegre: Não Editora, 2015.

RESENDE, Beatriz. Contemporâneos: expressões da literatura brasileira no século XXI. Rio de Janeiro: Casa da palavra, 2008.

RICH, Adienne. Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Bagoas – Estudos gays: gêneros e sexualidades, [S. l.], v. 4, n. 05, 2012. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/bagoas/article/view/2309. Acesso em: 20 dez. 2022.

ROQUE, Tatiana. História da matemática: uma visão crítica, desfazendo mitos e lendas. Rio de Jaeiro: Zahar, 2012.

SEDGWICK, Eve. Kosofsky. A Epistemologia do Armário. In: Cadernos Pagu. Tradução de Plinio Dentzien. São Paulo: Núcleo de Estudos de Gênero Pagu-UNICAMP, n. 28, p. 19-54, 2007.

SWAIN, Tânia Navarro. Desfazendo o “natural”: a heterossexualidade compulsória e o continuum lesbiano. Bagoas – Estudos gays: gêneros e sexualidades, v.5, p. 45-55, 2010.

Publicado

2023-12-30

Como Citar

SILVEIRA, Micaela Sá da. As lesbianidades espiraladas em ‘Vó, a senhora é lésbica?’. Revista Fórum Identidades, Itabaiana-SE, v. 38, n. 1, p. 59–71, 2023. DOI: 10.47250/forident.v38n1.p59-71. Disponível em: https://periodicos.ufs.br/forumidentidades/article/view/v38p59. Acesso em: 18 abr. 2024.

Edição

Seção

Por que escrevem as mulheres e as representações do corpo-mulher