(De)colonialidade em Troia

uma leitura de Luiza Romão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47250/forident.v38n1.p99-113

Palavras-chave:

Literatura, memória e história, Literatura contemporânea brasileira, Mulher e literatura, Poesia latino-americana contemporânea, Guerra de Troia

Resumo

Como se inaugura a colonialidade? Essa é uma pergunta que perpassa o exercício poético de Luiza Romão em Também guardamos pedras aqui (2021). Neste artigo, elaboramos uma análise centrada em alguns poemas que problematizam o modelo de homem, herói e mulher materializado na literatura clássica greco-romana, observando como a poeta fratura essas ideias e propõe um novo ângulo de entendimento sobre acontecimentos e personagens chave relacionados à Guerra de Troia. Para nortear as considerações críticas, algumas teóricas como Thula Pires (2020), Heloisa Buarque de Holanda (2020) e Geni Núñez (2021) nos serviram de apoio. Desse modo, evidenciamos o projeto de desconstrução de Romão, que tanto alimenta a tradição a respeito da literatura clássica, quanto contesta sua presença hegemônica na educação ocidental, além de atualizá-la a partir da violência cotidiana da contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Miguel Arcanju Pereira, Universidade Federal de Campina Grande - UFCG

Graduado em Letras Inglês pela Universidade Estadual da Paraíba em 2009. Atualmente, é mestrando no Programa de Linguagem e Ensino PPGLE/ UFCG e professor efetivo de Língua Inglesa do Estado da Paraíba. Pesquisa, desde 2012, Literaturas de Língua Inglesa e diferentes textos clássicos relacionados à figura histórica e literária de Júlio César. ResearchIDs: rid66584.

Thays Keylla de Albuquerque, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB/Campina Grande

Graduada em Letras pela Universidade Federal de Pernambuco (2008). Na mesma instituição, concluiu mestrado (2011) e doutorado (2020) em Teoria da Literatura no Programa de Pós-Graduação em Letras. É professora efetiva na Universidade Estadual da Paraíba (UEPB – Campina Grande) desde 2011, onde ensina Literaturas Hispânicas. Pesquisa questões relacionadas à literatura contemporânea latino-americana a partir do entrecruzamento entre memória, história e literatura. Organiza e participa de eventos acadêmicos e artísticos ligados à literatura. E integra o Grupo de Estudos de Literatura e Crítica Contemporâneas (GELCCO, CNPq/UEPB). ResearchIDs: rid66586.

Referências

CALDAS, Viviane Moraes; QUIRINO, Marcelle de Lemos Quirino. Vidas violentadas: um estudo sobre a violência sexual nas metamorfoses de Ovídio. Projeto PIBIC UFCG. (2021 – atual). Disponível em: http://lattes.cnpq.br/0372425956977246 . Acesso em: 30 de out. 2023.

CERQUEIRA, Luis M. G. Ulisses na Eneida. IN: OLIVEIRA, Francisco de. Penélope e Ulisses. Coimbra, 2003.

CRUZ, Márcia Maria; ROMÃO, LUIZA. Entrevista ‘Também guardamos pedras aqui’ debate questões atuais a partir da ‘Ilíada’ IN: Jornal Estado de Minas. Dez. 2022. Disponível em: https://www.em.com.br/app/noticia/pensar/2022/12/30/interna_pensar,1438731/tambem-guardamos-pedras-aqui-debate-questoes-atuais-a-partir-da-iliada.shtml. Acesso em: 29 out. 2023.

ÉSQUILO. Oréstia. Trad. Mário da Gama Kury. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

EURÍPIDES. As Troianas. Trad. Trajano Vieira. São Paulo: Editora 34 Ltda, 2021.

EURÍPIDES. Ifigênia em Áulis. Trad. Mário da Gama Kury. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

GINZBURG, Jaime. Crítica em tempos de violência. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo (FAPESP), 2012.

GRIMAL, Pierre. Dicionário da mitologia grega e romana. Trad. Victor Jabouille. 5 eds. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

HOLLANDA, Heloisa Buarque. Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Organização e apresentação de Heloisa Buarque de Hollanda. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020.

HOMERO. Odisseia. Trad. Trajano Vieira. São Paulo: Editora 34 Ltda, 2011.

HOMERO. Ilíada. Trad. Trajano Vieira. São Paulo: Editora 34 Ltda, 2020.

LUGONES, María. Colonialidade e Gênero. IN: HOLLANDA, Heloisa Buarque. Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Organização e apresentação de Heloisa Buarque de Hollanda. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020. pp. 53-83.

MIKLOS, Manoela. Todo homem precisa de uma mãe. Mídia Ninja. Disponível em: https://midianinja.org/manoelamiklos/todo-homem-precisa-de-uma-mae. Acesso em: 29 out. 2023.

NÚÑEZ, Geni; LESSA, Luma. Luta e pensamento anticolonial: uma entrevista com Geni Núñez. IN: Epistemologias do Sul. Vol.5. N.2. pp. 38 – 57, 2021. Disponível em: https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/view/3482/2967. Acesso em: 30 out. 2023.

OVÍDIO. Metamorfoses. Trad. Domingos Lucas Dias. São Paulo: Editora 34 Ltda, 2017.

PIRES, Thula Rafaela de Oliveira. Por uma concepção amefricana de direitos humanos. IN: HOLLANDA, Heloisa Buarque. Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Organização e apresentação de Heloisa Buarque de Hollanda. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020. pp. 298-319.

PINKER, Steven. Os anjos bons da nossa natureza: por que a violência diminuiu. Trad. Bernardo Joffily e Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

QUIJANO, Alonso. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. IN: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. CLACSO: Buenos Aires, 2005. Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/sur-sur/20100624103322/12_Quijano.pdf. Acesso: 05 set. 2015.

ROMÃO, Luiza. Sangria/ Sangría. Fotografia Sérgio Silva. Tradução Martina Altalef. São Paulo: Edição do Autor/Selo do Burro, 2017.

ROMÃO, Luiza. Também guardamos pedras aqui. São Paulo: Editora Nós, 2021.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria de análise histórica. Educação e Realidade, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995. Disponível em: https://docs.google.com/file/d/0B1cHNDJbqFSpSWw2blFLWElSOG16MmdwU05mNEFNUQ/edit?pli=1. Acesso em: 29 ago. 2016.

SÓFOCLES. Ájax. Trad. Mário da Gama Kury. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

VIRGÍLIO. Eneida. Trad. Carlos Alberto Nunes. São Paulo: Editora 34 Ltda, 2014.

Publicado

2023-12-30

Como Citar

PEREIRA, Jorge Miguel Arcanju; ALBUQUERQUE, Thays Keylla de. (De)colonialidade em Troia: uma leitura de Luiza Romão. Revista Fórum Identidades, Itabaiana-SE, v. 38, n. 1, p. 99–113, 2023. DOI: 10.47250/forident.v38n1.p99-113. Disponível em: https://periodicos.ufs.br/forumidentidades/article/view/v38p99. Acesso em: 18 abr. 2024.

Edição

Seção

Por que escrevem as mulheres e as representações do corpo-mulher

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)