A intertextualidade homoerótica em Paulo Azevedo Chaves

Autores

DOI:

https://doi.org/10.51951/ti.v13i29.p74-88

Palavras-chave:

Homoerotismo, Poesia Contemporânea, Intertextualidade, Paulo Azevedo Chaves

Resumo

Este artigo pretende estudar a presença do passado na poesia do escritor pernambucano Paulo Azevedo Chaves, tendo como foco o homoerotismo masculino. Objetivamos reconhecer de que modo o poeta repensa a homossexualidade por meio da intertextualidade, lançando mão do tempo pretérito para abordar questões atuais. Para tanto, analisaremos poemas presentes nos livros Nu cotidiano (1988) e Os ritos da perversão e outros poemas (2012). Inicialmente, investigaremos os textos que recuperam personagens da história, promovendo um encontro entre tempos e gerações distintos. Em seguida, discutiremos acerca dos poemas que retomam criticamente o cânone universal, com o intuito de ressignificar o amor entre dois homens.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cássio Augusto Nascimento FARIAS, Instituto Federal do Rio Grande do Norte - IFRN

Doutorando em Letras pelo Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL) da Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão - SE. Professor do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN), Campus Pau dos Ferros.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é contemporâneo? In: ______. O que é contemporâneo? e outros ensaios. Trad. Vinícius Nicastro Honesko. Santa Catarina: Argos, 2009. p. 55-73.

BARCELLOS, José Carlos. Literatura e homoerotismo masculino: perspectivas teórico-metodológicas e práticas críticas. In: ______. Literatura e homoerotismo em questão. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2006. p. 7-104.

BATAILLE, Georges. O erotismo. Trad. Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

CERQUEIRA, Fábio Vergara. Iconografia de Jacinto, entre Esparta, Atenas e Tarento: música, educação e homoerotismo (séc. VI – III a.C.). In: PÁSCOA, Márcio; CAREGNATO, Caroline. Música, linguagem e (re)conhecimento. Manaus: Editora UEA, 2020. p. 109-207.

CHAVES, Paulo Azevedo. Nu cotidiano. Recife: Grupo X, 1988.

CHAVES, Paulo Azevedo. Os ritos da perversão e outros poemas. s.l.: Edição do autor, 2012. Disponível em: https://pt.calameo.com/books/002249079e46cf8b10935. Acesso em: 28 nov. 2021.

DERRIDA, Jacques. Essa estranha instituição chamada literatura: uma entrevista com Jacques Derrida. Trad. Marileide Dias Esqueda. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo. Trad. Ricardo Cruz. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

KATS, Jonathan Ned. A invenção da heterossexualidade. Trad. Clara Fernandes. Rio de Janeiro: Ediouro, 1996.

NUNES, Benedito. A recente poesia brasileira: expressão e forma. In: ______. A clave do poético. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 158-173.

PROENÇA FILHO, Domício. Poesia brasileira contemporânea: multiplicidade e dispersão. In: ______ (org.). Concerto a quatro vozes. Rio de Janeiro/São Paulo: Record, 2006. p. 7-18.

RESENDE, Beatriz. A literatura brasileira na era da multiplicidade. In: ______. Contemporâneos: expressões da literatura brasileira no século XXI. Rio de Janeiro: Casa da Palavra/BN, 2008. p. 15-40.

RODRIGUES, Nuno Simões. “Morte no Nilo”. Antínoo: Sacrifício, Acidente ou Assassínio? In: OLIVEIRA, Francisco de; SILVA, Maria de Fátima Sousa e; BARBOSA, Tereza Virgínia Ribeiro (Org.). Violência e transgressão: uma trajetória da Humanidade. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2014. p. 265-278. Disponível em: https://digitalis.uc.pt/handle/10316.2/34781. Acesso em: 14 dez. 2021.

ROSENFELD, Anatol. Gêneros e traços estilísticos. In: ______. A teoria dos gêneros. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2004.

SAÉZ, Javier; CARRASCOSA, Sejo. Pelo cu: políticas anais. Trad. Rafael Leopoldo. Belo Horizonte: Letramento, 2016.

SANTOS, Alexandre. Tensionamentos entre religião, erotismo e arte: o Martírio de São Sebastião. Porto Arte, Porto Alegre, v. 21, n. 35, p. 7-18, mai. 2016. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/PortoArte/article/view/73708/41479. Acesso em 13 jan. 2022.

TORRÃO FILHO, Amilcar. Tríbades galantes, fanchonos militantes: homossexuais que fizeram história. São Paulo: Summus, 2000.

Publicado

2023-05-22

Como Citar

FARIAS, Cássio Augusto Nascimento. A intertextualidade homoerótica em Paulo Azevedo Chaves. Travessias Interativas, [S. l.], v. 13, n. 29, p. 74–88, 2023. DOI: 10.51951/ti.v13i29.p74-88. Disponível em: https://periodicos.ufs.br/Travessias/article/view/19212. Acesso em: 23 abr. 2024.