Um espelho em frente ao outro

apontamentos sobre a especularidade em 3x4, de Armando Freitas Filho

Autores

DOI:

https://doi.org/10.51951/ti.v13i29.p120-134

Palavras-chave:

Poesia, Especularidade simbólica, Imagem poética, Armando Freitas Filho, 3x4

Resumo

Este ensaio propõe uma discussão acerca do livro 3x4 (1985), do poeta carioca Armando Freitas Filho. A partir da constatação de que a obra é repleta de poemas que se inserem no campo semântico da visão, elegemos para um debate específico aqueles que fazem uso da imagem poética dos espelhos. Defendemos que, nessa obra, a especularidade – a qual está presente na menção a espelhos e lagos, mas também na repetição sistemática de algumas estruturas e palavras – põe em xeque o simplório binarismo do eu real versus eu virtual e evidencia os impasses do sujeito em sua relação com o mundo. É como se a imagem especular (que, segundo Umberto Eco, não mente) se espelhasse na imagem poética (paradoxal e inquietante, segundo Alfredo Bosi e Octavio Paz), e ambas, juntas e uníssonas, colocassem-nos diante da seguinte conclusão: já que seus objetos de apreensão estão sempre por escapar, cabe à poesia a busca – utópica, mas necessária – pelo estatuto de estágio virginal da linguagem, no qual a percepção do mundo se dá sempre de forma inaugural, como sugere Heidegger em A caminho da linguagem (2003).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

César de Oliveira SANTOS, Universidade Federal de Sergipe - UFS

Mestre em Letras pelo Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Sergipe na área de concentração dos Estudos Literários, atualmente cursa doutorado no mesmo Programa e área do mestrado. Além disso, é Revisor de Textos do Instituto Federal de Sergipe.

Referências

BOSI, Alfredo. O ser e o tempo da poesia. 6. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

BOSI, Viviana. Objeto urgente. In: FREITAS FILHO, Armando. Máquina de escrever: poesia reunida e revista. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2003. p. 5-25.

BRANDÃO, Junito de Souza. O mito de Narciso. In: ______. Mitologia grega. Petrópolis: Vozes, 1987. v. 2. p. 173-190.

DIDI-HUBERMAN, Georges. O que vemos, o que nos olha. Trad. Paulo Neves. 2. ed. São Paulo: 34, 2010.

ECO, Umberto. Sobre os espelhos. In: ______. Sobre os espelhos e outros ensaios. Trad. Helena Domingos. Lisboa: DIFEL, 1989. p. 11-44.

FREITAS FILHO, Armando. 3x4. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

GIDE, André. O Tratado do Narciso (teoria do símbolo). Trad. André Vallias. Sopro 92, Florianópolis, n. 92, jul. 2013. Disponível em: http://culturaebarbarie.org/sopro/arquivo/gide.html#.ZBQp0_bMLIU. Acesso em: 18 jan. 2023.

HEIDEGGER, Martin. A linguagem. In: ______. A caminho da linguagem. Trad. Márcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis; Bragança Paulista: Vozes; Editora Universitária São Francisco, 2003. p. 7-26.

PAZ, Octavio. A imagem. In: ______. Signos em rotação. Trad. Sebastião Uchôa Leite. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 1996. p. 37-50.

SÜSSEKIND, Flora. Um piscar de olhos. In: FREITAS FILHO, Armando. 3x4. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985. p. 7-17.

Publicado

2023-05-22

Como Citar

SANTOS, César de Oliveira. Um espelho em frente ao outro: apontamentos sobre a especularidade em 3x4, de Armando Freitas Filho. Travessias Interativas, [S. l.], v. 13, n. 29, p. 120–134, 2023. DOI: 10.51951/ti.v13i29.p120-134. Disponível em: https://periodicos.ufs.br/Travessias/article/view/19216. Acesso em: 24 abr. 2024.