Tropical sol da liberdade

o valor-memória na narrativa de mulheres no pós-ditadura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47250/forident.v38n1.p115-127

Palavras-chave:

Literatura brasileira, Pós-ditadura, Ana Maria Machado, Escrita de mulheres, Memória

Resumo

No mar de produções pós-ditatoriais que transfiguram a ditadura militar brasileira (1964-1985), Tropical Sol da Liberdade (1988), de Ana Maria Machado, destaca-se por ser uma narrativa escrita por mulher e sob a perspectiva de uma mulher invisibilizada, contribuindo para lançar luz ao processo de construção de memória na arte pós-ditatorial por meio da representação de vozes excêntricas. A autora dá voz a mães, esposas e irmãs de militantes; pessoas que, por conta da presença próxima à militância, viveram as consequências desta luta para além de sofrer com o sofrer dos seus – foram também vigiadas, perseguidas, por vezes presas e torturadas, e, inclusive, precisaram recorrer ao exílio como forma de autoproteção. Pretendemos discutir, neste ensaio, como esta obra contribui para fundar a produção literária da mulher brasileira no pós-ditadura dando voz a sujeitas marginais no contexto da militância.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Theresa Katarina Bachmann, Universidade de Pernambuco - UPE

Doutora em literatura latino-americana pela University of California, Davis. Professora adjunta do departamento de Letras Português / Espanhol da Universidade de Pernambuco (UPE). Integrante dos grupos de pesquisa Cellupe e Estudos sobre Representações, Alteridades e Subjetividades.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que resta de Auschwitz. São Paulo: Boitempo, 2008.

BETTO, Frei. Batismo de sangue: os dominicanos e a morte de Carlos Marighella. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

CHAMBERLAIN, Bobby J. Tropical sol da liberdade by Ana Maria Machado. World Literature Today, Vol. 63, número 3 (Summer 1989), p. 462-463.

DALCASTAGNÈ, Regina. O espaço da dor: o Regime de 64 no romance brasileiro. Brasília: Editora da UnB, 1996.

FIGUEIREDO, Eurídice. A literatura como arquivo da ditadura brasileira. Rio de Janeiro: 7Letras, 2017.

LICARIAO, Berttoni. Eurídice Figueiredo – A literatura como arquivo da ditadura brasileira. Revista de Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea. Brasília. Número 53, p. 437-442, jan/abr 2018.

MACHADO, Ana Maria. Tropical sol da liberdade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988.

MADRUGA, Beatriz. “Trilogia da Tortura”: mulheres e seus discursos nos romances de Heloneida Studart. Tese de doutorado. UFRN, 2021.

RICOEUR, Paul. Time and narrative. Chicago: University of Chicago Press, 1985, vol. 2.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: UFMG, 2007.

SOUZA, Ioneide. De feminino a feminista: a transformação na escrita literária dos romances de Heloneida Studart. Tese de doutorado. CPDOC, 2014.

VARGAS, Andrea; UMBACH, Rosani. Exilados em Tropical Sol da Liberdade, de Ana Maria Machado: uma questão sensível. Estação Literária. Londrina. Vol. 10B, p. 81-97, jan 2013.

UMBACH, Rosani; VIANNA, Vera. Memória, escrita e assimetria de poder em Tropical sol da liberdade, de Ana Maria Machado. Letras. Santa Maria. Vol. 20, número 41, p. 69-83, jul./dez. 2010.

UMBACH, Rosani; VARGAS, Andrea. Tropical Sol da Liberdade: narrativa e resistência em tempos de barbárie. Revista Literatura em Debate. Campinas. Vol. 7, número 12, p. 263-280.

WHITE, Hayden. Trópicos do discurso: ensaios sobre a crítica da cultura. São Paulo: EDUSP, 2001.

Publicado

2023-12-30

Como Citar

BACHMANN, Theresa Katarina. Tropical sol da liberdade: o valor-memória na narrativa de mulheres no pós-ditadura. Revista Fórum Identidades, Itabaiana-SE, v. 38, n. 1, p. 115–127, 2023. DOI: 10.47250/forident.v38n1.p115-127. Disponível em: https://periodicos.ufs.br/forumidentidades/article/view/v38p115. Acesso em: 18 abr. 2024.

Edição

Seção

Por que escrevem as mulheres e as representações do corpo-mulher