De Região a Território: um movimento de demarcação (in)visível, Bahia, Nordeste do Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61895/pl.v17i33.19755

Palavras-chave:

História Regional, Região, Território

Resumo

O presente artigo trata de uma análise historiográfica dos processos de regionalização do território baiano em diferentes momentos históricos. Desse modo, problematizaremos as noções de Região, Território e sertão como categorias de análise e de uso da História. A pluralidade dos sertões baianos e o Recôncavo da Bahia são algumas das regionalizações abordadas no presente trabalho que contou com revisão bibliográfica assentada na vasta produção de dissertações e teses em História defendidas em diferentes programas de pós-graduação e conta com autores e autoras que estudaram a Bahia a partir de diferentes recortes cronológicos e espaciais. A trilha percorrida neste artigo traça o processo de regionalização a partir da exploração portuguesa e a divisão estabelecida a partir da dualidade entre o litoral e o interior do território baiano, o que contribuiu para as bem demarcadas áreas e as suas respectivas caracterizações, seja pelo seu aspecto positivo, seja pelo aspecto negativo, o que criou um imaginário sobre elas e que podem ser verificados nas suas próprias definições.  Assim, trataremos do conceito de região como uma construção histórica e as suas mudanças de recortes regionais em diferentes momentos históricos, pois os processos em curso em cada demarcação trouxe acréscimos ou recuos numa mesma área. Este trabalho está vinculado aos estudos regionais brasileiros com enfoque na Bahia e, por sua vez, tem como proposta avançar com as reflexões teóricas e metodológicas acerca da História Regional transversalizando a História Social, História Cultural, História Política, História Econômica e História Ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Sancho Carvalho da Silva, Universidade Federal do Oeste da Bahia

Professor de História do Brasil e da Bahia no Centro das Humanidades na Universidade Federal do Oeste da Bahia e doutor em História pela Universidade Federal da Bahia.

Lina Maria Brandão de Aras, Universidade Federal da Bahia

Professora Titular aposentada do Departamento de História da UFBA.

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. A invenção do Nordeste e outras artes. São Paulo: Cortez, 2011.

AMADO, Janaína. História e Região: Reconhecendo e construindo espaços. In: SILVA, Marcos A. da (Coord.). República em Migalhas: História Regional e Local. São Paulo: Marco Zero, 1990.

AMADO, Janaína. Região, sertão, nação. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, Vol. 08, nº 15, 1995.

ANTONIL, André João. Cultura e opulência do Brasil por suas drogas e minas. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2011.

CALASANS, José. O séquito de Antonio Conselheiro. Revista FAEEBA, nº especial (Canudos), 2ª. ed.,jan / jun, 1995. Disponível em < http://josecalasans.com/downloads/artigos/39.pdf>, acesso em 31 ago 2023.

CAMELIER, Ana Paula Carvalho Trabuco. Escravidão e liberdade no sertão dos Tocós: cotidiano, alforrias e família entre escravizados em Serrinha – Bahia (1868 – 1888). Salvador: Sagga, 2022.

DANTAS, Mônica Duarte. O “sertão do Conselheiro”: dinâmica social e transformações econômicas na comarca de Itapicuru (século XIX). In.: NEVES, Erivaldo Fagundes. Sertões da Bahia: formação social, desenvolvimento econômico, evolução política e diversidade cultural. Salvador: Editora Arcádia, 2011.

FERRAZ, Socorro; BARBOSA, Bartira Ferraz. Sertão: fronteira do medo. Recife: Editora UFPE, 2015.

FORNAZIER, Armando; PERAFÁN, Mireya Eugenia Valencia. Os arranjos das políticas territoriais no Estado da Bahia. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional. v. 14, n. 5, p. 17-30, set-dez/2018, Taubaté.

FREITAS, Antonio Fernando Guerreiro de. Oeste da Bahia: formação histórico-cultural (primeira parte). Cadernos do CEAS. Salvador, n. 181, maio/jun.1999. (a)

FREITAS, Antonio Fernando Guerreiro de. Oeste da Bahia: Formação histórico-cultural. Cadernos do CEAS, Salvador, v. 182, p. 85-102, jul./ago. 1999. (b)

FREITAS, Antonio Fernando Guerreiro de; PARAÍSO, Maria Hilda Baqueiro. Caminhos ao encontro do mundo: a capitania, os frutos de ouro e a princesa do sul – Ilhéus, 1534 - 1940. Ilhéus: Editus, 2001.

HOHENTHAL JR., W. D. As tribos indígenas do médio e baixo São Francisco. Revista do Museu Paulista. São Paulo, Vol. XII, p. 37 – 71, 1960.

LIMA, Aleí dos Santos. Saravá pra quem é de saravá: a umbanda no sertão sisaleiro da Bahia (1985 – 2016). 2016. 165 f. Dissertação (Mestrado em História Regional e Local) – Departamento de Ciências Humanas – Campus V, Universidade do Estado da Bahia, Santo Antonio de Jesus - BA, 2016.

MARTINS, José de Souza. Fronteira: a degradação do Outro nos confins do humano. 2ª edição. São Paulo: Contexto, 2019.

MATTOS, Ilmar Rohloff. O Tempo Saquarema: A formação do Estado Imperial. São Paulo: HUCITEC, 2004.

NASCIMENTO, Edelvito; MACHADO, Ivana Karoline; NASCIMENTO, Washington. Os Maraká: história, etnogênese e cultura no sertão de Maracás. In.: NASCIMENTO, Washington. Antônia Onça e o mestre de amansar brancos: trajetórias e saberes indígenas e africanos no sertão da Bahia. Rio de Janeiro: Autografia, 2021.

NEVES, Erivaldo Fagundes. Estrutura fundiária e dinâmica mercantil: alto sertão da Bahia, séculos XVIII e XIX. Salvador: EDUFBA; Feira de Santana: UEFS, 2005.

NEVES, Erivaldo Fagundes. Uma comunidade sertaneja: da sesmaria ao minifúndio – um estudo de história regional e local. Salvador; Feira de Santana: EDUFBA; UEFS Editora, 2008.

OLIVEIRA, Maria Aparecida Brito. Do sertão são franciscano ao oeste na Bahia: uma análise da trajetória de políticas do estado no processo de formação territorial (1889-2014). 2015. 262 f. Dissertação (mestrado em Geografia) – Instituto de Geociências, Universidade Federal da Bahia, Salvador – BA, 2015.

OLIVEIRA, Renata Ferreira de. Índios paneleiros do planalto da Conquista: do massacre e o (quase) extermínio aos dias atuais. Salvador: Editora Sagga, 2020.

OLIVEIRA, Wálney da Costa. “Sertão virado do avesso”. A República na região de Canudos. 2000. 225 f. Dissertação (mestrado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador – BA, 2000.

SANTOS, Márcio Roberto Alves dos. Rios e fronteiras: conquista e ocupação do sertão baiano. São Paulo: Editora Universidade de São Paulo, 2017.

SECULTBA. Divisão Territorial da Bahia. S/D, Disponível em http://www.cultura.ba.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=314 . Acesso em 28 ago 2023.

SEI. Cartografia Temática – Regionalizações – Territórios de Identidade – Apresentação., S/D. Disponível em <https://sei.ba.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=2650&Itemid=657&lang=pt#:~:text=A%20Regionaliza%C3%A7%C3%A3o%20Territ%C3%B3rios%20de%20Identidade,que%20abarcavam%20os%20417%20munic%C3%ADpios.>, acesso em 28 ag0 2023.

SILVA, Jacionira Coêlho. Arqueologia no médio São Francisco. Indígenas, vaqueiros e missionários. 2003. 460 f. Tese (doutorado em História) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003.

SILVA, Cândido da Costa e. Segadores e a messe: o clero oitocentista na Bahia. Salvador: SCT/EDUFBA, 2000.

SILVA, Rafael Sancho Carvalho da Silva. O “Grande Sertão” do Império: tensões políticas e sociais nos sertões do rio São Francisco (1827 – 1889). 2021. Orientadora: Lina Maria Brandão de Aras. 311 f. il. Tese (doutorado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2021.

SILVA, Rafael Sancho Carvalho da; ARAS, Lina Maria Brandão de.O sertão do Rio São Francisco: caracterização e definição para um estudo do Brasil oitocentista. Revista Nordestina de História do Brasil, Cachoeira, v. 2, n. 4, p. 197-220, jan./jun. 2020 DOI: https://doi.org/10.17648/2596-0334-v2i4-1389

SILVA, Vera Alice Cardoso. Regionalismo: o enfoque metodológico e a concepção histórica. In: SILVA, Marcos A. da (Coord.). República em Migalhas: História Regional e Local. São Paulo: Marco Zero, 1990.

SOUSA, Maria Aparecida da Silva de. A conquista do sertão da ressaca: povoamento e posse da terra no interior da Bahia. Vitória da Conquista: UESB, 2001.

SOUSA SOBRINHO, José de. O camponês geraizeiro no Oeste da Bahia: as terras de uso comum e a propriedade capitalista da terra. 2012. 436 f. Tese (doutorado em Geografia Humana) - Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

Downloads

Publicado

2023-12-30

Como Citar

ARAS, Lina Maria Brandão de; ARAS, Lina Maria Brandão de. De Região a Território: um movimento de demarcação (in)visível, Bahia, Nordeste do Brasil. Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura, São Cristóvão, v. 17, n. 33, p. 55–70, 2023. DOI: 10.61895/pl.v17i33.19755. Disponível em: https://periodicos.ufs.br/pontadelanca/article/view/19755. Acesso em: 18 abr. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.